Seja Bem-Vindo!

 

 

mensagem

 

O QUE É MEU É SEU

Por: Jaime Folle

 

            No casamento o que é meu é seu, vem da descrição “uma só carne” de (Gênesis 2:21-25), na criação de Adão e Eva: significa que assim como o nosso corpo é inteiro e não pode ser dividido em pedaços, assim também deve ser o relacionamento matrimonial até que a morte os separem. E quando o divórcio acontece vem ao contrário do plano de Deus.

         Fora as leis divinas, “uma só carne” o que é meu é seu! Muitos casais fazem do casamento um teste drive, mesmo depois de casados, dão mais atenção ao relacionamento com os outros do que ao seu cônjuge, como seus pais, amigos, e até outros parceiros, com a desculpa, nós temos uma relação aberta. Essa é uma receita infalível para o desastre de um casamento e é uma distorção da intenção original de Deus que quer uma só carne, um só corpo, o que é meu é também seu.

          Um outro problema semelhante pode se desenvolver quando o marido ou a esposa começa a se aproximar demais dos filhos ao invés do cônjuge. E aí vem muitas outras coisas como: os aspectos emocionais, espirituais, intelectuais, financeiro e de toda outra forma, esquecendo-se que formaram um casal e devem se tornar uma só carne, precisamos cuidar dos filhos e dos nossos pais, porém o cônjuge não pode ser deixado de lado, após o casamento ele é a prioridade sua. Ambos devem prestar esclarecimento de seus atos.

          Assim como uma parte do corpo cuida das outras partes (o estômago digere comida para o corpo, o cérebro dirige o corpo para o seu bom andamento, as mãos trabalham a favor do corpo, etc.), assim também cada parceiro no casamento deve mostrar carinho e cuidado um pelo outro.

          Fisicamente, o casal se torna uma só carne e o resultado de ser uma só carne pode ser encontrado nos filhos que essa união produz; esses filhos agora contêm informação genética como resultado dessa união. E até mesmo no aspecto sexual desse relacionamento, eles não devem considerar seus corpos como pertencentes a si mesmo, mas ao seu cônjuge. O que é meu é seu.

         Ao contrário que falam os liberais de relações abertas, pessoas que tem mais de um casamento, onde o ponto de encontro é o cartório de divórcios. O amor não acaba com o tempo, apenas se transforma. Aquela química, responsável pelo friozinho na barriga, a paixão louca, diminui, mas o amor companheiro aumenta, na medida que você aceita o outro e faz renúncias em prol desta união, com isso o encanto nunca acaba.

    Nas leis humanas, um casal por mais que queira viver juntos cuidando das necessidades um do outro (o que é meu é seu), não podem esquecer que Deus tem um propósito mais importante para o casamento que é a vida a dois na plenitude divina (a não ser que ambos sejam ateus).

         No jardim do Éden, três pessoas estavam presentes (Adão, Eva e Deus) e o cuidado é nunca deixar Deus de lado porque aí, entra a serpente que não faz parte desse relacionamento. Portanto, quando Deus está no centro do casamento ele é duradouro, porém deixa-lo de lado como muitos fazem, entra o gozo da tentação.

Até a próxima.